Eletrônica

Recentemente retomei uma velha paixão: a eletronica. Desde cedo tenho interesse em eletrônica. Um dos meus primeiros presentes foi o kit de um rádio com dois transistores de germanio. O circuito era simples, a placa grande para poder ser montada facilmente, alimentada a pilhas (de 4,5 Volts, difíceis de obter), uma caixa de acrílico e uma grande antena circular de fio azul. Este foi o único (até agora) rádio que montei que funcionou.

Anos depois ganhei um outro presente chamado "O Engenheiro Eletrônico". Era uma placa perfurada, um monte de circuitos em folhas isoladas, vários componentes e presilhas. Você colocava a folha sobre a placa perfurada, colocava as presilhas nos pontos de interseção, instalava os componentes segundo o diagrama na folha e interligava usando fios. A maior parte dos circuitos que montei funcionou.

Além de gratificante em ver o circuito funcionando, havia um livro que descrevia cada circuito e explicava o seu funcioanmento. A partir desse livro comecei a entender como os circuitos funcionavam e o que acontecia quando se alteravam os componentes. Por exemplo, um dos circuitos era um oscilador astável com uma pequena lampada no coletor de um dos transistores. Alterando o capacitor que ia do coletor de um transistor à base do outro transistor a frequencia mudava.

Na adolescência descobri a computação de deixei de lado a maior parte dos experimentos de eletrônica. Recentemente voltei a ela. Muita coisa mudou nesses 3x anos. Algumas das mudanças foram para melhor e algumas para pior. Várias das lojas fecharam (Automil, Harmonia, Irmãos Malaco, Sinfonia, Sideral) e outras abriram (Alta Componentes, For Tec, Politronica, Santa Efigenia). Os vendedores que conheciam os produtos que vendiam, que podiam te indicar substituições, que podiam te dar dicas, não estão mais no mercado. Vários aposentaram, vários já faleceram, alguns mudaram de ramo.

Além das pessoas e lojas, os componentes também mudaram. Antes os componentes eram "básicos" (resistor, capacitor, indutor, transistor, válvula) e com variedade: tinhamos capacitores cerâmicos, de poliester metalizado, de mica, eletrolíticos, mylar; resistores de diversas potências normalmente de carbono e alguns de fio. Você escolhia o componente para o circuito. Hoje é o inverso, pelo menos na minha cidade, você descobre que componentes existem no mercado e monta o circuito baseado neles. Nem tente achar resistores de carbono de 1,5 Watts porque só vai encontrar de 1/4 W ou 1/8 W.

A dificuldade de encontrar componentes e os preços são tão elevados que vale mais a pena importar da Ásia, via eBay. É complicado esperar dois ou mais meses por um componente mas é mais fácil do que encontrar um vendedor que saiba o que é um conector MMCX.

Os componentes que são encontrados hoje com mais facilidade são os circuitos integrados. Os analógicos são alguns amplificadores operacionais, uns poucos comparadores e vários CIs para manutenção dos equipamentos mais comuns. Esses últimos são difícies de usar como blocos de construção em circuitos já que, normalmente, tem uma aplicação muito específica.

Os CIs digitais hoje são quase todos da série 74LSxx, 74HCxx ou CD4xxx. A maior evolução desde a minha infancia são os microprocessadores. Não os microprocessadores como o Z80, 8051, 8080 da década de 1980 mas processadores muito mais fáceis de utilizar como os PIC16Fxx.

Além disso encontram-se vários kits baseados no Arduino. O Arduino merece um tratamento a parte. Ele realmente abriu um universo para as pessoas experimentarem com eletrônica e programação. Com o nível elevado de integração que temos agora é possível, por exemplo, ligar um sensor de umidade como o DHT11 a um arduino com pouco mais do que fios e escrever um programa tomar decisões baseados na temperatura e umidade do ar.

É curioso ver os programas e soluções que aparecem. Mesmo programas mal escritos e ineficientes resolvem os problemas para os seus criadores. Muitas vezes são criados "copiando-e-colando" pedaços de código encontrados na Internet. E há também os programas e soluções brilhantes e engenhosas.

Sistemas embarcados (título provisório)

Monitoramento

Um dos primeiros usos desses "sistemas embarcados" é a monitoração do ambiente doméstico. Há na Internet diversas páginas sobre isso. Até onde ví, a maioria das páginas foram criadas por pessoas de paises frios onde é necessário o aquecimento da residencia e que alterações no consumo para aquecimento podem gerar economias significativas.

Work In Progress

Magnetometros

Estou curioso em fazer algumas experiencias sobre magnetismo, em particular magnetometros e fluxgates. A página que me inspirou foi A Simple Fluxgate Sensor.

Alguns artigos interessantes desapareceram da Internet mas, com algum esforço, consegui recuperar alguns que disponibilizo localmente aqui: